Esquerdistas Pressionam Biden para expulsar Bolsonaro dos EUA

0
Continua após a publicidade

O governo Biden está sob pressão crescente de esquerdistas da América Latina, bem como de legisladores dos EUA, para expulsar Jair Bolsonaro de um retiro pós-presidencial na Flórida após o ataque de seus apoiadores à capital do Brasil no fim de semana.

Mas o ex-presidente de pode antecipar quaisquer planos para uma repreensão tão contundente. Na terça-feira, ele disse a um meio de comunicação brasileiro que adiaria seu retorno para casa, originalmente agendado para o final de janeiro, depois de ser hospitalizado com dores abdominais decorrentes de uma facada em 2018.

Cartão de Crédito Aprovado On-line Na Hora - Limite de até R$7.500,00

🚨 Últimos 3 dias! Cartão de crédito sem consulta ao SPC e Serasa pra você!

CLIQUE PARA VER O CARTÃO
Continua após publicidade

“Vim passar um tempo com minha família, mas não foram dias calmos”, disse Bolsonaro à afiliada de língua portuguesa da CNN no Brasil. “Primeiro, houve esse triste episódio no Brasil e depois minha internação.”

Continua após publicidade

Bolsonaro chegou à Flórida no final de dezembro, ignorando a posse de 1º de janeiro de Luiz Inácio Lula da Silva, que se tornou o primeiro presidente brasileiro eleito a não receber a faixa presidencial de seu antecessor desde que a democracia foi restaurada na década de 1980. Bolsonaro está hospedado na casa do lutador brasileiro de artes marciais mistas José Aldo, na área de Orlando, um fervoroso apoiador.

Sua visita ao estado ensolarado passou despercebida nos EUA até o ataque de domingo por milhares de partidários obstinados que estavam acampados há semanas fora de uma base militar em Brasília, recusando-se a aceitar a derrota apertada de Bolsonaro no segundo turno de outubro. A invasão do congresso brasileiro e do palácio presidencial deixou para trás vidros estilhaçados, computadores quebrados e obras de arte cortadas.

Clique aqui e aperte o botão " Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Quase desde o momento em que as imagens da destruição foram transmitidas para o mundo, os democratas expressaram preocupação com a presença contínua de Bolsonaro em solo americano, traçando paralelos entre o tumulto no Brasil e a insurreição de 6 de janeiro de 2020 por aliados de Donald Trump que invadiram o Capitólio. para tentar derrubar os resultados das eleições presidenciais dos EUA.

Entre os que pediram que o presidente Joe Biden chutasse Bolsonaro estava a deputada Alexandria Ocasio-Cortez.

“Quase dois anos depois do dia em que o Capitólio dos EUA foi atacado por fascistas, vemos movimentos fascistas no exterior tentando fazer o mesmo no Brasil”, disse o legislador de Nova York. “Os EUA devem parar de conceder refúgio a Bolsonaro na Flórida.”

Deveria ser um acéfalo para a Casa Branca, dizem os especialistas.

Biden nunca teve um relacionamento próximo com Bolsonaro, que fez causa comum com os principais aliados de Trump na extrema direita. E qualquer ação para expulsá-lo provavelmente funcionará bem na América Latina, onde Biden está cortejando uma safra de novos líderes de esquerda que chegaram ao poder em lugares como Chile e Colômbia expressando preocupações semelhantes sobre ameaças à democracia.

“Uma coisa é fazer declarações de apoio à democracia”, disse John Feeley, um antigo diplomata dos EUA na América Latina que renunciou ao cargo de embaixador no Panamá em 2018 devido a divergências com o governo Trump.

“Outra é realmente agir em sua própria casa, onde você tem controle soberano, com alguém que está claramente aliado às mesmas pessoas que trouxeram você em 6 de janeiro”, disse Feeley.

Mas até agora o governo Biden procedeu com cautela.

Na segunda-feira, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, evitando perguntas sobre a presença de Bolsonaro, disse que qualquer pessoa que entrar nos EUA com o chamado visto A-1 reservado para chefes de estado em exercício teria 30 dias para deixar o país ou ajustar seu status com Departamento de Segurança Interna ao final de seu mandato.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, foi igualmente cauteloso, dizendo apenas que qualquer pedido do governo brasileiro relacionado a Bolsonaro seria avaliado, levando em consideração o precedente legal. Normalmente, os EUA relutam em discutir questões de visto por questões de privacidade.

Feeley disse que quanto mais tempo o governo Biden esperar, mais fraco seu apoio à democracia será percebido na região.

Um lugar para onde Bolsonaro aparentemente não vai é a Itália. O ex-presidente é descendente de imigrantes do século 19 do norte da Itália e a mídia brasileira especulou por meses que ele e seus filhos buscariam a cidadania italiana por medo de que ele pudesse ser processado no Brasil por corrupção ou por lidar mal com a pandemia de coronavírus .

Mas o ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, disse à rádio estatal na terça-feira que Bolsonaro nunca solicitou a cidadania – apesar de ter recebido a cidadania honorária em 2021 pela pequena cidade onde seu bisavô nasceu.

“Existem leis que tratam de quem obtém a cidadania”, disse Tajani, enfatizando a forte condenação de seu governo de extrema direita à invasão de instituições do governo brasileiro por partidários de Bolsonaro. “Não é uma escolha política e discricionária.”

Continua após publicidade

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Ok Ler mais